Jaider Esbell

Normandia, RR, 1979.
São Paulo, SP, 2021.
Vencedor do PIPA Online 2016.
Indicado ao Prêmio PIPA 2021.

Jaider Esbell, do povo Macuxi, foi artista multimídia e curador independente. A cosmovisão de seu povo, as narrativas míticas e a vida cotidiana nas Amazônias compõem a poética de seu trabalho que se desdobra em desenhos, pinturas, vídeos, performances e textos. Definindo suas proposições artísticas como artivismo, as pesquisas de Esbell combinam discussões interseccionais entre arte, ancestralidade, espiritualidade, história, memória, política e ecologia. Tem destaque suas elaborações sobre o txaísmo – modo de tecer relações de afinidades afetivas nos circuitos interculturais das artes pautadas pelo protagonismo indígena. No campo da crítica decolonial, sua trajetória e pesquisa prática evidenciam o que em geral se experimenta estritamente no plano do discurso. Realizou práticas de arte-educação em comunidades indígenas, quilombolas, ribeirinhas e urbanas periféricas, atuando especialmente em articulações junto a artistas indígenas da região circumroraimense a partir de sua galeria de arte indígena contemporânea na cidade de Boa Vista – RR. Desde 2010 circulou por diversas exposições no Brasil e no exterior. Em 2016, ganhou o Prêmio PIPA categoria online. Em 2020, participou de “Véxoa: nós sabemos”, mostra coletiva de arte indígena na Pinacoteca do Estado de São Paulo. Em 2021 foi curador de sua própria exposição individual “Apresentação: Ruku”, na Galeria Millan em São Paulo. É artista convidado da 34ª Bienal de São Paulo e curador do projeto “Moquém_Surarî”, exposição de arte indígena contemporânea no Museu de Arte Moderna de São Paulo, em um evento paralelo à Bienal de SP.

Jaider Esbell, "A Dimensão Humana", 2013, 100 x 150 cm
Jaider Esbell, “A Dimensão Humana”, 2013, 100 x 150 cm

VÍDEOS

Vídeo feito pela Matrioska Filmes com exclusividade para o PIPA 2016.

Para saber mais sobre Jaider Esbell,