Exposição

“Achados e perdidos”

(jun – ago 2018)

A segunda exposição com obras do acervo do Instituto PIPA, na Villa Aymoré, discute a construção de identidade no mundo contemporâneo através de fotografias e vídeos de Berna Reale, Marco Antonio Portela, Paulo Nazareth, Shima e Virginia de Medeiros. Em “Achados e Perdidos”, os (auto-)retratos expostos procuram deslocar o indivíduo da imagem ideal e admirável, marginalizando-o na decadência. Os trabalhos foram selecionados pelo curador do Instituto PIPA, Luiz Camillo Osorio, que assina o texto introdutório transcrito abaixo:

Tudo hoje em dia é construção e circulação de imagem. Por um lado, uma vontade enlouquecida de se mostrar para que sejamos um produto desejável – profissionalmente, afetivamente, politicamente. Por outro, o desejo libertário de se inventar sem seguir modelos prévios de normalidade. Trocando em miúdos: somos ao mesmo tempo mercadoria e fabulação, sujeito e objeto, produto e processo.

É inquestionável que estamos todos cansados de tanta representação. As identidades fixas que definiam o que era bom e normal são pouco sedutoras; não obstante a necessidade de afirmação de identidades historicamente marginalizadas. Nesta exaustão identitária, procurar deslocar modelos e imagens é parte de uma política inerente às artes.

Os artistas aqui expostos trabalham com imagens de si que circulam na contramão do narcisismo. Procuram inventar papéis improváveis, multiplicar referências sociais e desorientar nossa capacidade de reconhecer, classificar e, consequentemente, excluir. Ser muitos e ser com os outros é um imperativo ético nesse mundo de trânsitos e desigualdades. Esta é a aposta que perpassa estas fotografias e vídeos de Berna Reale, Marco Antonio Portela, Paulo Nazareth, Shima e Virginia de Medeiros.” _  por Luiz Camillo Osorio.